Google+ Badge

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Botão de Ouro

Da mesma família das margaridas, o botão-de-ouro é uma florífera perene, nativa do Brasil. Sua folhagem é muito bela e compacta, com folhas de coloração verde-clara e margens denteadas. As inflorescências são do tipo capítulo, solitárias, pequenas, axilares, com corola e centro de coloração amarelo-ouro. A floração se estende durante o ano todo, mas é mais abundante na primavera e verão.
O porte do botão-de-ouro é pequeno, cerca de 40 cm de altura, o que o torna apropriado para a formação de bordaduras, canteiros e maciços. Pode ser cultivado em vasos e jardineiras também, conferindo graça e beleza campestre ao jardim. É uma planta muito rústica, resistente às doenças.
Devem ser cultivados sob sol pleno, em solo fértil, leve e enriquecido com matéria orgânica, com regas regulares. Adubações semestrais com NPK ou fertilizantes orgânicos garantem uma intensa floração. Planta tipicamente tropical, não é tolerante ao frio e às geadas. Multiplica-se por estaquia e por sementes.


sexta-feira, 24 de julho de 2015

Jerivá

  • Nomes Populares: Jerivá, Baba-de-boi, Coco-de-babão, Coco-de-cachorro, Coco-de-catarro, Coqueiro, Coqueiro-gerivá, Coquinho,  Jerivá, Palmeira-jerivá
  • Família: Arecaceae
  • Categoria: Palmeiras
  • Clima: Equatorial, Oceânico, Subtropical, Tropical
  • Origem: América do Sul, Bolívia, Brasil
  • Altura: 6.0 a 9.0 metros, 9.0 a 12 metros, acima de 12 metros.Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno
  • Ciclo de Vida: Perene

Seu estipe é elegante e único, alcançando de 8 a 15 metros de altura e podendo chegar a 60 cm de diâmetro. As folhas são longas, com 2 a 4 metros de comprimento, arqueadas, pendentes, pinadas e com numerosos folíolos.
As inflorescências surgem o ano todo, em cacho pendente, grande, ramificado, com pequenas flores de cor amarelo creme. O fruto é do tipo drupa, de cor amarela ou alaranjada, de formato globoso a ovóide, com polpa fibrosa, suculenta e doce. Cada fruto contém uma única semente, como um minúsculo coco, de sabor amendoado. Tanto os frutos, como as sementes dos jerivás são comestíveis. Também produz palmito.
No paisagismo, os jerivás podem ser utilizados isolados, em grupos ou renques. Seu ar imponente e majestoso ajuda a criar projetos de jardins sofisticados a um custo não tão elevado, se comparado a outras palmeiras. Da mesma forma, seu jeitão tropical é perfeito para jardins descontraídos à beira-mar ou em sítios. O jerivá também é muito atrativo para a fauna silvestre. As inflorescências são visitadas por abelhas diversas e os frutos são avidamente devorados por maritacas, papagaios, caturritas e esquilos. No seu ambiente natural, atrai também cachorros-do-mato e raposas.
Deve ser cultivado sob sol pleno ou meia sombra, em solo fértil, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente. Quando jovem, esta palmeira aprecia o sombreamento parcial. Tolera bem o frio e o calor, adaptando-se a uma ampla variedade climática, no entanto, aprecia a umidade tropical. Resiste muito bem ao transplante, mesmo os indivíduos adultos. Multiplica-se por sementes postas a germinar em recipientes com substrato arenoso, mantido úmido. Semear na primavera e verão, logo após a colheita e despolpa dos frutos quase maduros. A germinação ocorre após 2 a 5 meses.

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Sapucaia

A Sapucaia é uma árvore decídua, muito ornamental e frutífera, caracterizada pela copa densa que muda de cor e pelos frutos curiosos repletos de saborosas castanhas. Sua altura geralmente é de 5 a 15 metros, mas pode atingir 50 metros na floresta. Suas folhas são elípticas, verdes, glabras, acuminadas, alternas, com margens onduladas e serrilhadas. No inverno perde as folhas, que rebrotam na primavera, concomitante à floração, formando um belo espetáculo com sua cor rosa chocolate. As flores são delicadas, belas, de cor branco-violáceas e com numerosos estames. O fruto é do tipo pixídio, duro, pesado, seco e deiscente, de forma esférica a alongada, com textura lenhosa e uma tampa que se abre quando maduro, liberando as sementes grandes e comestíveis. A maturação do fruto leva de 10 a 12 meses e atrai a fauna silvestre, principalmente ávidos macacos e morcegos, seus principais dispersores.
No paisagismo a sapucaia ainda é pouco explorada, apesar do seu incontestável valor ornamental e ecológico. A cor primaveril da folhagem nova é realmente bela e sua copa arredondada e densa, fornece sombra fresca no verão. Como perde as folhas no inverno, permite a passagem de luz, revitalizando e aquecendo o jardim. Suas doces e deliciosas castanhas são mais um motivo para plantá-la em jardins residenciais, corporativos, sítios e parques. Elas substituem com vantagens a castanha-do-pará in natura ou em receitas.
Deve ser cultivada sob sol pleno, em solo fértil, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente. Árvore típica da mata atlântica e floresta amazônica, aprecia o calor e a umidade tropicais. Multiplica-se por sementes. Cobrir as sementes com 1 cm de substrato peneirado e irrigar duas vezes ao dia. A emergência das sementes ocorre em cerca de 40 a 70 dias e a taxa de germinação é moderada. O desenvolvimento das mudas no viveiro e posteriormente no local de plantio definitivo não é muito rápido, podendo ser considerado “lento”. As árvores jovens iniciam a produção aos 8 a 10 anos de idade.

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Plantando corações em seu jardim - DICENTRA's





Origens: Dicentras são plantas do hemisfério norte, crescendo da Ásia para a América do Norte. Em seu habitat natural eles são encontrados em solos úmidos nas margens legal de florestas. Este dicentra foi introduzido pela primeira vez em 1816, em seguida, desapareceu de cultivo, mas foi reintroduzido por coletor de plantas Robert Fortune em 1846.


Estas plantas de floração tardia em molas crescem fácil  e são tolerantes a uma vasta gama de tipos de solo. Suas flores em forma de coração graciosamente se estendem sobre seus galhos como folhas. Variando de quase marrom, através de branco (mas mais comumente em tons de rosa) as flores graciosamente ficam pendurados na haste umas ao lado da outra como nas fotos.
Ficam lindas quando plantadas em grandes aglomerados na frente ou no meio do jardim. Perfeito para um jardim da máscara / samambaia, ou como parte de um jardim da casa, tudo o que requer solo úmido (não deixar secar).
Razoavelmente rápido crescimento, estas plantas crescem cedo, flor final da primavera, e morre lentamente. 
Dicentras vão bem em qualquer solo do jardim desde que bem adubado, porém não demasiado compactado (terra mais fofa).