Google+ Badge

sexta-feira, 30 de maio de 2014

PAISAGISMO COM ÁRVORES FRUTÍFERAS


Comer frutas tiradas direto do pé é um privilegio raro e fascinante, principalmente para moradores de grandes cidades. Como os pomares exigem espaços consideráveis, a solução para trazer beleza e sabor para dentro de casas e apartamentos é o plantio de árvores frutíferas em vasos ou a incorporação dessas variedades no paisagismo.
Jabuticaba, laranja, mexerica pitanga, araçá, grumixama, amora, kiwi, romã e acerola são algumas das muitas espécies saborosas e que podem ser plantadas em vasos, pois apresentam pequeno porte e crescimento lento. Não é a toa que o paisagismo de árvore frutífera é tendência em diferentes áreas, tanto para calçadas, jardins, quintais e até dentro de casa. Elas estão por toda parte e trazem doces lembranças aos moradores.
O que as pessoas mais buscam hoje é resgatar a qualidade de vida e, por isso, o uso de plantas frutíferas no jardim pode ser uma ótima ideia. Usar plantas frutíferas em jardins, rodeadas por flores ou folhagens ornamentais é uma espécie de paisagismo que difere do pomar tradicional, que reúne espécies variadas colocadas lado a lado. Este tipo de planta atrai passarinhos, contribui para todo o ecossistema, além de ser 
educativa para casas que possuem crianças, pois percebem o desenvolvimento da árvore desde seu crescimento até chegar ao ponto de ser consumido.
Os projetos com árvores frutíferas não estão sendo desenvolvidos apenas em áreas amplas de casas, mas há também em condomínios verticais, em varandas de apartamentos. Entretanto, as espécies de grande porte não se desenvolvem em vasos, mesmo que plante dificilmente dará frutos, mas a romã, pitanga, acerola, limão e jabuticaba frutificam muito bem nos vasos.  É necessário que a terra esteja bem adubada e os vasos sejam grandes. Quanto maior o espaço melhor, com banho de sol de pelo menos 4 horas diárias.
Como em qualquer área verde, é necessário cuidado para que as espécies cresçam e se desenvolvam sempre saudáveis. Precisa regar muito, não pode faltar água e tem que adubar no mínimo quatro vezes por ano. É interessante ter, periodicamente, o acompanhamento de um paisagista para verificar a saúde da planta.
Em volta das árvores frutíferas é bacana ter um banco ou poltrona; um local para pessoa se sentar e comer as frutas ali mesmo, ou seja, criar um ambiente de estar. Outra dica é iluminar a árvore, pois este ambiente sempre fica muito aconchegante à noite. Na Flora Morumby você encontra todos os acessórios para deixar o ambiente ainda mais elegante e aconchegante, como  lanternas com ganchos para prender nos galhos, velas de citronela para espantar os insetos no período noturno ou aromatizadores.


De modo geral, o paisagismo com árvores frutíferas exige atenção quanto ao volume da árvore (altura e forma e diâmetro da copa), de maneira a integrá-la com harmonia à estrutura do espaço disponível. Outros atributos plásticos devem ser observados, tais como: cor, textura da folhagem, das flores, dos frutos e do caule, para criar uma composição harmônica com as demais plantas selecionadas.
Apesar da possibilidade de se colher frutas do pé no próprio apartamento, algumas espécies em vasos apresentam menor produtividade, maior suscetibilidade ao ataque de pragas e doenças e, portanto, exigem mais cuidados.
Para o cultivo de frutíferas, o vaso pode ser feito de qualquer material, mas deve ter dimensões compatíveis com a espécie a ser plantada. Seu preparo leva uma boa camada de drenagem ao fundo (cerca de sete centímetros de brita), manta geotêxtil de cobertura e, por fim, o substrato rico em matéria orgânica, bem aerado e com boa capacidade de retenção de umidade e nutrientes.
Se a escolha é plantar diretamente no jardim, mas ainda em espaços reduzidos, as árvores de pequeno porte são as mais indicadas. Pitangueiras, pés de acerola, de romã, jabuticabeiras e os cítricos (limão, tangerina, laranja) têm fácil trato, já que prescindem de controle de tamanho.

As podas são importantes durante o desenvolvimento inicial da planta, para guiar seu formato, estabelecer uma altura adequada e estimular a formação de ramos laterais. Igualmente, a rotina de irrigação, qualquer que seja a espécie, deve evitar a alternância entre encharcamento e ressecamento muito drásticos. Acompanhar o desenvolvimento da planta, removendo ramos mal formados, folhas secas e frutos caídos, é fundamental.


segunda-feira, 19 de maio de 2014

MAGNÓLIAS


Magnolia L., é um gênero de plantas conhecidas pelo nome comum de magnólias, pertencentes à família das Magnoliaceaes, que se distribuem por cerca de 200 espécies. Também é o nome comum das flores proveniente de plantas deste gênero, nativas da Ásia e da América do Norte, estão perfeitamente aclimatadas na Europa.
De beleza absoluta, elas podem ser associadas a conjuntos de arbusto ou plantas acidófilas, que além de jardins, de maior ou menor dimensão, também podem desfrutar da sua presença em grandes vasos.
As magnólias são árvores e arbustos semidecíduas ou decíduas, (de grandes folhas duras, caducas ou persistentes). São apreciadas pelas suas flores solitárias, grandes e decorativas, muito perfumadas. Muito apreciadas como plantas ornamentais em jardins, principalmente em locais de clima temperado ou subtropical. Produzem abundantes flores brancas ou rosadas, grandes e perfumadas.
A ciência botânica tem um interesse especial pelas magnólias, por apresentarem estruturas reprodutivas e anatômicas que se acredita serem extremamente primitivas em relação a todas as outras flores, apresentando semelhanças com Gimnospermas primitivas. Alguns dos fósseis mais antigos de Angiospermas conhecidos apresentam flores semelhantes às magnólias. Alguns estudos sugerem que as magnólias podem ser as primeiras flores que surgiram no nosso planeta, mas isso não é comprovado.
A maioria das espécies de folha caduca floresce muito cedo, a partir de fevereiro e as de folha persistente são de floração estival. Os frutos são pequenos cones repletos de grãos vermelhos.
A maioria das espécies desta família varia entre os 02 e 30 metros. Plante as magnólias ao sol ou meia-sombra, todo o ano exceto durante os períodos de geadas. As magnólias preferem um solo neutro, ligeiramente ácido. Algumas espécies suportam bem um PH superior a 07, mas temem os solos calcários. Podem ser podadas quando jovens ou depois da floração o que lhes garante rejuvenescimento.
Existem duas espécies mais conhecidas: Magnolia Stellata: o menor arbusto da família, não passando dos 02 ou 03 metros. Magnolia grandiflora: a mais conhecida. Originária da América, as suas folhas são persistentes e pode chegar aos 30 metros.
A Magnolia grandiflora encontra-se no estado natural, no Sudeste dos Estados Unidos, sendo cultivada na Europa.
A espécie Magnolia stellata (Magnolia kobus, variedade stellata), vulgarmente conhecida pelo nome de magnólia-estrela, é uma planta arbustiva ou arbórea, que pode atingir aproximadamente 20 metros de altura e que, ao contrário da Magnólia grandiflora, é caducifólia, apresentando-se verde apenas no verão.
Suas folhas são alternas, elípticas, com um comprimento que pode variar entre os 06 e 18 centímetros, inteiras e acuminadas. As flores são hermafroditas, geralmente de cor branca e podem atingir os 12 cm de largura. A floração acontece entre os meses de abril e junho.

Os frutos tem a forma de cotovelos, largos e com comprimento que pode atingir 12 centímetros. As duas espécies são ornamentais, apreciadas pela elegância do porte e pela beleza das flores que também exalam um perfume agradável.

domingo, 4 de maio de 2014

PAISAGISMO CORPORATIVO

Muito mais do que apresentar uma bela fachada, a implantação de um projeto paisagístico muda a forma como os seus clientes enxergam a sua empresa. As plantas trazem vida ao seu local de trabalho e não é necessário possuir áreas grandes para tornar a sua empresa um local mais agradável e em contato com a natureza.
As empresas, escritórios e lojas, podem e devem oferecer condições de trabalho adequadas aos clientes internos e externos e o planejamento de projeto paisagístico consegue transmitir bem-estar em locais antes frios e monocromáticos.
Existem diversas e variadas soluções e que cabem em todos os bolsos, indo muito além da conhecida palmeira, presente na maioria dos escritórios e ambientes corporativos por sua resistência e boa adaptação interna. Hoje é possível contar com os versáteis muros verdes, que podem ser implantados em áreas externas ou internas, transformando paredes sem uso em verdadeiras obras de arte.
Escritórios devem ter boa iluminação e ventilação natural, além de espécies adequadas a interiores, de fácil manutenção e adaptação. A FLORA MORUMBY apresenta algumas vantagens em implantar projetos paisagísticos nos ambientes de trabalho:
  • Melhora da qualidade do ar interno;
  • Redução dos níveis de ruídos e poeira;
  • Aumento da eficiência e produtividade no trabalho;
  • Melhora da imagem do local a clientes e funcionários.
  • As plantas podem reduzir os afastamentos por doenças ou mal estar.
  • Os jardins externos promovem a valorização do prédio pois é possível realçar os pontos fortes da construção e disfarçar os pontos fracos de modo que o conjunto ganhe força, imponência e destaque.
  • Obter o melhor impacto visual, chamando a atenção de futuros e atuais clientes e/ou consumidores.
  • A partir de um estudo individual da sua empresa pelos profissionais da FLORA MORUMBY é possível determinar as variedades de plantas mais adequadas para cada parte do jardim de modo a se obter plantas saudáveis, de fácil trato e baixa manutenção.