Google+ Badge

terça-feira, 25 de junho de 2013

PARQUE GÜELL – BARCELONA, ESPANHA




“Quando as palavras fogem, as flores falam”.
(Bruce W. Currie)

O Parque Güell é um dos pontos turísticos mais visitados de Barcelona. Desperta um interesse nos turistas pela relação que tem com o autor responsável pelo projeto do parque, o catalão mundialmente famoso Antonio Gaudí. O belíssimo conjunto arquitetônico a céu aberto revela a fase naturalista de Gaudí, que imprimiu detalhes do seu estilo pessoal em diversos elementos e mobiliários do parque. 

Um dos principais pontos do Parque Güell é o terraço principal, que possui um banco feito à imagem de uma serpente. Gaudí aparentemente fez as curvas usando um operário nu sentado em barro molhado como modelo. Construído nos primeiros anos do século 20, este espaço urbano deslumbrante foi mais tarde convertido de conjunto habitacional a jardim municipal, coberto de mosaicos. É um local surpreendente, assim como os ninhos das aves também criadas por Gaudí.

Gaudí, um dos maiores nomes do modernismo, foi contratado inicialmente para realizar um projeto de urbanização da área, que receberia casas luxuosas. No entanto, o empreendimento fracassou. Mas, anos depois, em 1922, foi inaugurado pelo poder público como parque. 

Desde então, é um dos destinos mais procurados pelos turistas e um espaço muito utilizado para espetáculos ao ar livre, como shows e atos públicos. Uma das melhores surpresas durante o passeio até o Güell é a vista panorâmica que ele oferece da cidade. A paisagem de Barcelona observada do alto do parque une-se às obras de Gaudí para concretizar um dos melhores passeios pela Espanha.

Temas como o nacionalismo catalão, misticismo e poesia arcaica também são incorporados na concepção do parque. O Güell é integrante das “Obras de Antoni Gaudi”, Patrimônio Mundial da UNESCO, e uma bênção não só para o povo de Barcelona, mas para os visitantes de todo o mundo. As vistas são insuperáveis.
Parque Güell é um grande parque urbano situado no distrito de Gràcia, na cidade de Barcelona, na vertente virada para o Mediterrâneo, do Monte Carmelo, não muito longe do Tibidabo. Foi encomendado pelo empresário Eusebi Güell. Construído entre 1900 e 1914. Em 1969 foi nomeado Monumento Histórico Artístico de Espanha


O Parque Güell é um reflexo da plenitude artística de Gaudí, pertence à sua etapa naturalista (década de 1900), período no qual o arquiteto catalão aperfeiçoou o seu estilo pessoal, inspirando-se nas formas orgânicas da natureza e pondo em prática uma série de novas soluções estruturais originadas na sua análise da geometria regrada. A isso acrescentou uma grande liberdade criativa e uma imaginativa criação ornamental. 
Uma das características mais marcantes do Parque Güell é o contraste entre as texturas e cores dos diferentes materiais de construção (cerâmica brilhante e multicolorida versus pedra rústica castanha), tão apreciado pelos arquitetos do modernismo catalão.

Apesar das vantagens e preços razoáveis oferecidos o projeto foi um fracasso comercial. Não se sabem ao certo os motivos que levaram a isso, mas existem algumas teorias. Uma delas aponta que os barceloneses teriam considerado que a área, então pouco urbanizada e sem transportes públicos, ficava demasiado longe do centro de Barcelona. Uma outra teoria defende que o Parque Güell era demasiado catalanista e que isso afastara potenciais compradores numa época em que a burguesia catalã receava uma revolução dos trabalhadores e queria manter-se nas boas graças do governo central em Madrid e do seu protetor exército. 
Quando percebeu que o seu projeto era um fracasso, Güell decidiu abrir o parque de forma limitada, permitindo ao público em geral passear livremente no seu interior mediante o pagamento de uma pequena taxa de admissão e acolhendo grandes eventos sociais. As obras continuaram nas zonas comuns da urbanização até serem paralisadas em 1914, após o início da Primeira Guerra Mundial. Após a morte do Conde Güell (1918), os seus herdeiros venderam o parque ao Município de Barcelona em 1922 para o converter em público, tendo este sido inaugurado como parque público em abril de 1926.
Entre 1987 e 1994 foi levado a cabo um restauro do parque, a cargo de Elies Torres i Tur e Josep Antoni Martínez i Lapeña, com a colaboração do arquiteto e historiador Joan Bassegoda. Continua pendente um projeto de qualificação da encosta norte do monte – que não foi incluída no projeto de Gaudí –, especialmente a zona da Fonte de San Salvador de Horta e do Castillo d'en Frey, uma mansão senhorial construída na década de 1920 e derrubada na década de 1960, da qual somente restam vestígios das muralhas.
Diversas estruturas do parque, incluindo as abóbadas dos pavilhões da entrada, o teto da sala hipostila e o banco ondulante, são compostas por elementos pré-fabricados e posteriormente montados nos seus lugares e ligados uns aos outros, uma técnica construtiva inovadora para a época. A área é imensa e dá para passar algumas boas horas do seu dia passeando entre as colinas, se perdendo entre os caminhos e descobrindo aqui e ali obras de Gaudí. Só que a gente sabe que, quando viaja, o luxo de passar um dia inteiro num parque, andando aleatoriamente é um luxo para poucos.


Caminhar e conhecer todas as formas dos jardins e monumentos projetados por Gaudí e seus colaboradores. As formas onduladas, fazem alusão à natureza e se espalham por cerca de 17 hectares. Passarelas cobertas por colunas em forma de árvores, estalactites e outras formas geométricas brotam dos numerosos jardins.
Traços políticos e religiosos também devem ser observados, pois refletem a influência que Gaudí e Güell tiveram na execução da obra. A Casa-Museu Gaudí é outro ponto do parque cuja visita é obrigatória por abrigar móveis e desenhos do artista espanhol, que morou por alguns anos na casa.
A Gran Plaça Circular é considerada o centro do parque. É a partir dela que os outros monumentos foram erguidos e direcionados. Mosaicos coloridos enfeitam o banco gigantesco que existe na praça. Na entrada do parque, as abóbadas dos pavilhões de entrada refletem a tentativa de Gaudí em sintonizar a natureza e o sagrado em um único monumento. Ao longo da escadaria que liga a entrada ao topo do parque está a escultura de uma salamandra, que virou símbolo do Güell. 
Quando visitar: entre maio e junho o clima favorece a visita. Setembro também é outro mês agradável.

terça-feira, 18 de junho de 2013

BUTCHART GARDENS – COLÚMBIA BRITÂNICA, CANADÁ


"Toda a natureza é uma harmonia divina, sinfonia maravilhosa que convida todas as criaturas a que acompanhem sua evolução e progresso" (Tsai Chih Chung).

Os belos jardins de Butchart estão entre os mais lindos do mundo. Criado em 1907, este santuário da natureza foi aberto para o mundo pela família Butchart em 1921, e tem florescido desde então. Baseando-se no primeiro jardim, os Butcharts logo acrescentaram um jardim italiano e um jardim de rosas, e mais tarde espaços para crianças, incluindo o Carrossel Rose e o Pavilhão das Crianças. Em 2004, este espaço especial foi nomeado patrimônio histórico nacional.
O Butchart Gardens é um exemplo magnífico de um projeto de recuperação ambiental muito bem sucedido. A terra, usada há anos como uma pedreira, havia perdido seu valor. Jenne Butchart, esposa do proprietário decidiu reaproveitar o local e encheu o espaço com solo das fazendas vizinhas. Sua ideia funcionou e numa área de 22 hectares crescem hoje mais de 700 variedades de plantas que florescem entre os meses de março e outubro.
O Butchart Gardens está localizado em Brentwood Bay, Colúmbia Britânica, Canadá, perto de Victoria. É uma atração turística internacionalmente conhecida que recebe centenas de milhares de visitantes todos os anos. Conta com diversos entretenimentos e serviços alimentares de alta qualidade, que complementam os meticulosamente mantidos jardins.
É composto por cinco grandes jardins - Jardim de Rosas, Jardim Japonês, Lagoa da Estrela, Jardim Italiano e o principal, Jardim Submerso, todos interligados por caminhos e outros pequenos jardins. O Jardim Submerso fica exatamente onde antes existia a pedreira, o colorido de seus canteiros impressiona.
O local oferece completa infraestrutura para os visitantes poderem passar todo o dia a contemplar a beleza das flores e espécies vegetais lá existentes. São mais de 700 espécies e mais de um milhão de plantas que florescem durante todo o ano.
Robert Pim Butchart começou a produzir os cimentos Portland em 1888. Ele e a sua mulher Jennie Butchart vieram para a costa oeste do Canadá por causa dos ricos depósitos de calcário, necessários à produção de cimento. Em 1904 estabeleceram uma casa perto da sua pedreira na Tod Inlet, na base da península de Saanich, na Ilha Vancouver.
Em 1906, Jeenie criou um jardim japonês com a ajuda do designer Isaburo Kishida. Em 1909, quando a pedreira se esgotou, Jennie transformou a pedreira num jardim de Sunken. O jardim foi completado em 1921. Em 1926 criaram um jardim italiano, e em 1929  um grande jardim de rosas.
Em 1953 foi providenciada iluminação noturna, para marcar o 50º aniversário dos jardins. Em 1964 a Fonte de Ross foi instalada no reservatório inferior para celebrar o 60º aniversário. Em 1994, a Autoridade Heráldica Canadiana deu um brasão de armas aos jardins. Em 2004, dois totens de aproximadamente 9,1 metros foram instalados para marcar o 100º aniversário, e os jardins foram designados patrimônio histórico. Os jardins ainda pertencem aos Butchart, a dona é a bisneta dos Butchart, Robin-Lee Clarke.

Com magníficas paisagens, tão espetaculares que você se belisca pra ter certeza de que está acordado, aproximadamente 1 milhão de pessoas visitam anualmente, aproveitando não só as flores mas as festas e o show de luzes do Verão e do Natal.















quinta-feira, 13 de junho de 2013

“MASTER OF THE NETS GARDEN” – SUZHOU, CHINA


A China, um dos 10 maiores países do mundo e o maior país da Ásia Central, guarda boas e agradáveis surpresas para seus visitantes. E não é apenas a cultura muito diferente da nossa, a exótica culinária e a arquitetura que nos surpreendem.
O país também possui praças e parques muito bonitos, que merecem a nossa atenção. E um dos principais deles é o The Master of Nets Garden”, considerado um dos 10 jardins mais lindos do mundo.
Instalado na cidade de Suzhou, há aproximadamente 1000 quilômetros de Pequim, capital da China, o parque é um verdadeiro oásis para quem está na cidade. E não é a toa! Em Suzhou vivem mais de 6 milhões de pessoas. Calmo, tranquilo e deslumbrante, o The Master of Nets Garden” foi considerado Patrimônio Mundial pela UNESCO.
O jardim “Master of the Nets Garden” foi construído durante a dinastia Song (960 -1270 dC) e abriga, entre outras atrações, a Piscina Nuvem Rosa. Além disso, durante a visita vale também conhecer a gruta, tão antiga quanto à dinastia Ming e um pinheiro que tem centenas de anos.
As áreas do jardim ao norte de Piscina Nuvem Rosa foram projetadas para acontecimentos clássicos e tranquilos, enquanto as áreas do sul foram destinadas ao uso social e familiar. A piscina realmente parece maior do que é pelo design utilizado, onde pequenos prédios foram posicionados diretamente na água, enquanto os maiores foram posicionados de forma a minimizar o seu aparecimento.
Diferentes estações do ano são representadas por pontos de vista diferentes de plantas e pedras na seção ocidental do jardim, que ocupa uma área de 5.400 metros quadrados. O jardim ainda possui espaços projetados para eventos festivos. Destaque para o bosque de bambu, para as cavernas, pontes de arcos e os lagos, sempre rodeados por construções que trazem a riqueza da arquitetura típica local.
O arranjo dos pavilhões, salas de música, bosques de bambu, nos revela uma harmonia natural. A seção central é um pequeno mundo dentro de si mesmo, com pilhas de pedras amarelas formando “montanhas”,  cavernas, pontes em arco e lagos.










segunda-feira, 10 de junho de 2013

CENTRAL PARK – NEW YORK, EUA

Cobrindo 4 km² de extensão no coração de Manhattan, o Central Park tem uma paisagem diversificada de campos e trilhas para caminhadas. É considerado o principal parque público da cidade e tem atrativos como Wollman Rink, o Zoológico, o Zoológico Infantil Tisch e o Friedsam Memorial Carousel, além do Sheep Meadow e Great Lawn, espaços onde se pode descansar e aproveitar a vida ao ar livre.







O Central Park é um dos parques mais lindos do mundo, completamente cercado por uma expansão urbana. Aberto em 1857 com 770 acres (hoje com 843), quando um concurso de desenho de paisagem foi realizado. Entre as inovações do projeto, estavam diferentes roteiros de circulação para cavaleiros, pedestres e estradas subterrâneas para o tráfego, que ajudou a manter o parque como um oásis urbano sem precedentes.
Durante sua história, o parque mais visitado das Américas passou por vários períodos de declínio e restauração. Hoje o parque é extremamente bem conservado, a criminalidade é baixa, e há muitas atividades que podem ser feitas, incluindo observação de aves, passeios de barco e caiaque e até escalada nos afloramentos do parque. O obelisco egípcio e os campos de morango são outras paradas famosas.
Em meio ao agito de Manhattan, em Nova York, o Central Park funciona como pulmão e coração da cidade. Trata-se de um mítico local, com seus 4 km de comprimento por 800 metros de largura, com muito espaço aproveitado por turistas e moradores. O parque recebe aproximadamente 25 milhões de visitantes/ano e conta com lagos artificiais, 2 pistas de patinação no gelo durante o inverno e o Museu de História Natural. Durante o verão, diversos shows acontecem no Central Park.
A sua construção foi iniciada em 1857 tendo por base o projeto "Greensward Plan" de Frederick Law Olmsted e Calvert Vaux. Para a construção do parque a cidade de New York adquiriu 840 acres de terra bem no centro da ilha da Manhattan e todo o terreno teve que passar por enorme modificação para que pudesse observar o projeto original. O Central Park atualmente cobre uma área de 843 acres que equivale a 6% da Ilha de Manhattan. É um dos mais belos parques públicos do mundo e atrai milhares de visitantes de todas as partes do mundo. Suas atrações principais são:
Zoológico – Wildlife Conservation Society's Central Park Zoo and the Tisch Children's Zoo estão localizados a apenas algumas quadras da 5th Avenue. Nele é possível visitar mais de 130 espécies diferentes de animais em diversos habitats, todos cuidadosamente criados com o objetivo de recriar o seu meio ambiente natural.
Atividades Culturais – Todos os anos o Central Park oferece uma grande variedade de espetáculos que agradam a todos os seus visitantes. Dentre aqueles que já foram apresentados estão: “Shakespeare in the Park”, a “New York Public Theater's”, com peças como “Romeu e Julieta”, “Sonho de uma Noite de Verão”, que são realizadas no Delacorte Theather. Todos os anos a New York Philharmonic e a New York Opera realizam performances ao ar livre no Great Lawn e em todos os verões acontecem shows especiais de diversos artistas.
Atividades Esportivas – Para aqueles que são fãs das práticas esportivas: skate, basquete, tênis, handball e softball. Basta adquirir o Discovery Day Pack no North Meadow Recreation Center e poder usar todos os equipamentos esportivos disponíveis no parque.
Passeio de carruagem pelo Central Park
Bethesda Terrace Localizada no coração do Central Park, resultado do projeto original de Olmsted e Vaux. Não deixe de subir no Upper Terrace para apreciar uma maravilhosa vista da região e da famosa fonte "Angel of the Waters" - criação da escultora Emma Stebbins (1873). Por conta da sua beleza,  Bethesda Terrace serviu de locação para inúmeros filmes rodados em New York, sendo alguns: “Ransom”, “One Fine Day”, “Tommy Boy”, “Bullets over Broadway” e “Hair”.
Conservatory Garden É uma das regiões mais lindas do Central Park, repleta de jardins muito bem cuidados, com três seções distintas: “The North Garden” (French Garden), “The Central Garden” (Italian Garden) e “The South Garden” (English Garden). O Jardim Norte é padronizado conforme o estilo clássico francês, conta ainda com uma belíssima fonte, denominada “Three Dancing Maidens”, construída em 1910, pelo famoso escultor alemão Walter Schott. O Jardim Central segue o estilo italiano, é um dos locais mais procurados para os fotógrafos de casamento. O Jardim Sul foi construído no estilo inglês, sendo o menos formal dos três. Ao centro você encontra uma linda escultura de bronze “Burnett Fountain”, representando um garoto e uma garota, inspirada no clássico "The Secret Garden" de Frances Hodgson Burnett, feita em 1936 por Bessie Potter Vonnoh.

Conservatory Water Trata-se de uma bela lagoa muito conhecida do parque, onde se pode observar outros visitantes divertindo-se com seus filhos com barquinhos de rádio controle. Ao norte do Conservatory Water você encontra uma escultura de Alice no País das Maravilhas com todos os seus amigos e ao oeste está uma estátua de Hans Christian Andersen (1805-1875), escritor dinamarquês de fábulas.

sábado, 8 de junho de 2013

05 NOVOS JARDINS PARA CONHECER AO REDOR DO MUNDO


O mundo é formado por diferentes culturas e cada localidade tem as suas peculiaridades. Cada cidade é plural, com milhares de opções para serem visitadas, revisitadas e descobertas. Quando você viaja pela primeira vez para um novo local, certamente vai querer conhecer cenários dos quais já ouviu falar, viu em filmes ou que foram indicados por amigos.

Mas existem muitos programas diferentes para serem feitos e que fogem do turismo convencional. Que tal como conhecer parques e jardins que oferecem um contato com a natureza, permitindo que você se desligue do mundo e sua agitação? Nas grandes cidades do mundo, parques e jardins funcionam como perfeitos oásis em meio aos prédios de concreto, à correria e fumaça onde se pode respirar o ar puro e desfrutar da beleza da natureza.

Confira algumas sugestões:













terça-feira, 4 de junho de 2013

JARDINS STOURHEAD WARMINSTER


Os Jardins da Stourhead Warminster, Inglaterra foram criados no século XVIII, para os nobres ingleses. O jardim apresenta um gramado extremamente verde e extenso, além de belas árvores com folhagens coloridas e réplicas das estruturas gregas do Panteão e do Templo de Apolo.
Se você gosta de fugir de roteiros turísticos tradicionais, vai adorar esse local. Quem pretende viajar para o Reino Unido não precisa ficar restrito apenas à Londres, Manchester ou Liverpool e aos passeios tradicionalmente oferecidos por agências. Diversas cidadezinhas da Inglaterra, próximas a Londres e de fácil acesso, possuem um charme estonteante e são com certeza lugares que merecem ser visitados. Prova disso é Warminster, que está a apenas duas horas da capital inglesa.

É lá que está instalada a Stourhead House, um palácio em estilo Palladiano, que é propriedade do "National Trust for Places of Historic Interest or Natural Beauty" (Instituto para os Lugares de Interesse Histórico ou de Beleza Natural).
No entorno do palácio, estão jardins encantadores e belos, que foram desenhados por Henry Hoare II. Com traços típicos do século XVIII, Stourhead está em volta de um grande lago. Como inspiração para criar o paisagismo do local, Hoare II buscou referências nas pinturas de artistas como Claude, Poussin e Gaspar Dughet.
O Jardim possui replicas do Panteão e o Templo de Apolo, e uma coleção incrível de árvores e arbustos de todo o mundo. Dizem que no outono Stourhead fica ainda mais bonito, por causa da mistura de cores. Um passeio assim precisa ser apreciado em família, durante todo o dia, né?
Stourhead foi feito para os nobres ingleses do século 18, sendo um grandioso exemplo do fascínio que o passado representa, com suas magnificas replicas do Panteão e o Templo de Apolo.